João Pessoa em um fim de semana

October 5, 2017

Resolvemos fazer um bate e volta para João Pessoa no final de semana, foi corrido sim, mas pudemos conhecer a aproveitar muita coisa.

 

Onde ficar?

Ficamos na Pousada Boi Bumba Bessa, super arrumadinha, bel localizada (não fica na região mais badalada - Tambaú, mas é perto e sem contar que está a um quarteirão da praia). Super recomendamos.

Obs: só peça para ficar nos quartos de cima - porque a Ma ficou no quarto debaixo e disse que era muito barulhento.

Encontre um lugar para ficar em João Pessoa

 

 

Como chegar?

Fomos de avião. Saímos de Guarulhos e pousamos em João Pessoa. Voo direto - 3 horas.

Os voos diretos são em horários horríveis (muito tarde ou muito cedo), mas é direto.

Os melhores horários são os voos com paradas.

 

Quando ir?

O ano inteiro!! Nordeste é bom para o ano todo. Sempre quente!

Mas, como todo nordeste, melhor fugir da chuva. Então, evite o verão (Dezembro a Março).

 

O que fizemos?

No primeiro dia, chegamos e fomos aproveitar o fim do dia na Praia do Bessa, na Barraca do Golfinho (bem na direção da pousada), barraca com comidas e bebidas boas e praia bem gostosa para passar o dia, com estrutura, ducha, banheiros.

Outra paradinha obrigatória é o calçadão de Tambaú e o mercado de artesanato.

 

Como tínhamos apenas dois dias, deixamos um para conhecer o Sul e outro para o Norte.

 

1 dia no Litoral Sul:

Estávamos em 4 meninas e alugamos um buggy. Nossa bugueira nos pegou as 9 da manhã e saímos para as praias.

A primeira parada foi na praia de Gramame. Essa praia tem uns quiosques, tem um cantinho que forma tipo uma piscina natural.

 

 

A segunda foi a Praia de Tabatinga; uma praia muito bonita, mas sem estrutura.

 

A terceira parada no Mirante Dedo de Deus, um lugar com uma vista incrível que já vale a viagem, seguem aí muitas fotos para descrever.

 

 

Fizemos então a parada na tão famosa Coqueirinho, porém por ser sábado estava lotada e acabamos nem ficando muito tempo por lá (depois descobrimos que tinham quiosques melhores nessa praia, mas nossa guia não os indicou).

 

E por fim a famosa Praia de Tambaba.

 

Atenção: porque os guias tentam nos indicar um restaurante longe da praia, dizendo que lá não tem estrutura, porém optamos por conhecer a praia antes de decidir qualquer coisa e encontramos sim dois quiosques simples. Acabamos no que fica na praia mesmo e a comida e bebida estavam boas.

 

Optamos então pelo passeio famoso no lado naturista de Tambaba. Nessa praia é obrigatório tirar toda a roupa e o pessoal lá cobra sim que o faça se quiser ir na praia, assim fizemos. Nessa parte não colocaremos fotos rs (nem mesmo levamos o celular), mas para os curiosos, tinham muitas pessoas na praia, casais principalmente e lá tem até um bar se quiserem para, beber, almoçar...

 

Pegamos o buggy para retornar, pois a última parada era para o por do sol da praia do Jacaré (e lá acontece cerca de 17:30). Antes paramos no farol, mas sinceramente não sei se vale a parada, não é grande e não tem uma boa vista.

 

Chegamos então na praia do Jacaré que fica lotada, a maioria da pessoas pega o catamarã para ver o por do sol, optamos por ver da praia mesmo, ficamos ouvindo o bolero de Ravel vendo o sunset (evento clássico do local). Aí tem uma feirinha bem grande de artesanato, comidas, que vale uma voltinha.

 

Litoral Norte:

 

Para o segundo dia, fechamos com um motorista de Uber nossa ida para o Norte.

 

Nossa primeira parada foi a Igreja de Nossa Sra. da Guia, para chegar pegamos a balsa de Cabedelo para Lucena.  Sua construção é do século XVI, a igreja é no estilo barroco, com pedras calcárias. Já sofreu algumas reformas, mas é um local que merece ser visitado.

 

A segunda parada foi a praia de Lucena, é uma praia de veraneio, então não tinha nada, já que nossa ida foi fora da temporada, porém é uma praia bem bonita.

 

Já pegamos a balsa para voltar e paramos no Forte de Santa Catalina. Antiguissimo, de 1591, porém é bem pequeno, não está muito bem conservado, cremos que só vale a ida se você estiver naquela região e com tempo (se não, desconsidere).

 

Por fim paramos na Praia de Cabedelo no famoso Lovina Bar. É um bar e restaurante com música ao vivo, de frente para o mar. Um pouco mais caro que os outros lugares que passamos, mas vale sim!

 

Como foram apenas dois dias não tivemos tempo de conhecer os seguintes lugares, mas estamos abertas às dicas que quem conhecer:

  • Piscinas naturais do Seixas;

  • Picãozinho;

  • Ilha da Areia Vermelha;

  • Centro histórico.

 

Onde Comemos?

 

Gostamos muito da culinário e preços de lá, além do Lovina e Golfinho que fomos nas praias, seguem os restaurantes que comemos:

  • Tábua de Carne: comida típica nordestina, deliciosa. O atendimento foi ótimo, super rápido e preço justíssimo. Destaque para a sobremesa de petit gateau de rapadura com sorvete de tapioca;

  • Mangai: também de comida nordestina, porém self-service com uma infinidade de opções (jantamos lá, mas é super famoso o café da manhã desse local);

  • Dona Branca: é uma barzinho enorme, com música ao vivo. Bebidas muito boas. Quanto mais tarde da noite, mais cheio e mais animado fica.

E assim conhecemos nossa penúltima capital do Nordeste, agora só falta Teresina.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

You Might Also Like:

Uma volta por Quito

October 4, 2019

Bate-Volta em Quilotoa

October 3, 2019

1/15
Please reload

© 2023 by Going Places. Proudly created with Wix.com