Brasil: Um pulo em Inhotim

Tiramos um final de semana para conhecer Inhotim (e de quebra Belo Horizonte). Como a Marcella tem uma amiga por lá, aproveitamos para fazer uma visita e nos hospedar na casa dela (Obrigada Taléia, Felipe e Davi).

 

Como chegar:

Para chegar em Inhotim você tem que chegar por BH (que tem voos diretos a partir de SP) e depois ir para Brumadinho (carro, ônibus ou van)

 

Chegamos 6a feira a noite e já alugamos um carro na Localiza do aeroporto mesmo (o aeroporto de Confins fica aproximadamente 1 hora da cidade e não compensa ficar só no Uber) 

No sábado fomos cedinho para Inhotim. Super fácil de chegar. O museu fica na cidade de Brumadinho, cerca de 60km de BH.

Chegamos logo que abriu - às 9:30 - e saímos de lá às 15:30 (vimos tudo o que queríamos)

 

Dicas Importantes:

* Compre o ingresso antecipado pela internet para não ficar na fila.

Custa R$ 44,00 inteira e R$ 22,00 meia.

http://www.inhotim.org.br/visite/ingresso/

* Transporte de carrinho de golf no museu: O museu é gigante, as galerias são bem distantes e não é plano, logo vale a pena pagar pelo transportes em carrinhos de golf (não é pelo parque todo, mas alguns trechos mais longos específicos), fica em R$ 28,00.

Existe uma carrinho private que custa certa de R$ 500,00. Claro que seguimos a dica do carrinho (compartilhado) e foi a melhor coisa que fizemos (economizamos tempo e pernas)

 

1 dia em Inhotim

 

É possível visitar o museu em 1 dia (precisa ser bem rápido e ter planejamento quando chegar lá).

Tem gente que prefere fazer em 2 dias. Fica a seu critério.

 

Em Inhotim existem as galerias, as obras, os jardins temáticos e os destaques botânicos. Existem obras a serem apreciadas, obras sensoriais, na Galeria Cosmococa, por exemplo, existe uma piscina que pode ser usada (era muito gelada, não entramos). A obra que mais estávamos empolgadas era a Galeria Marilá Dardot, com os famosos vasinhos em forma de letras, mas essa estava fechada.

 

Não tem muito o que dizer afinal a arte, cada um aprecia de um jeito, então seguem muitas fotos para ilustrar e fizemos uma pequena listinha dos nossos pontos favoritos, que é algo muito subjetivo.

  • Galeria Claudia Andujar

  • Galeria Matthew Barney

  • Galeria Adriana Varejão

  • Galeria Praça

  • Chris Burden – Beam Drop Inhotim

  • Galeria Lygia Pape

Aproveitamos o final de semana para conhecer BH também - aquela cidade gigante, com estilinho de interior, seguem algumas dicas:

 

 

O que fazer?

 

Pampulha: uma região mais afastada da cidade, com os pontos turísticos mais famosos.

  • Lagoa da Pampulha;

  • Igreja São Francisco de Assis – o maior cartão postal da cidade, obra de Oscar Niemeyer, inaugurada em 1959;

  • Mineirão - Estádio Governador Magalhães Pinto;

  • Famoso restaurante Xapuri, que é incrível.

Na região central:

  • Centro Cultural Banco do Brasil Belo Horizonte;

  • Memorial Minas Gerais Vale: o Museu de Experiência;

  • MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal,  o maior acervo de mineração e metalurgia do país;

  • Palácio Das Artes

  • Mercado Central de Belo Horizonte: típico local para fazer comprinhas de comidas típicas, almoçar. Aos domingos fecha às 13hrs!

  • Praça da Liberdade: construída em 1895, linda com diversos prédios antigos a sua volta e as belas palmeiras.

Para o lado de Nova Lima, alguns pontos famosos são:

  • Praça do papa: famosa pela vista e por do sol

  • Rua do Amendoim: uma rua que por ilusão de ótica o carro parado em ponto morto “sobe” a rua;

  • Mirante Mangabeiras;

  • Parque das Mangabeiras;

  • Cervejaria Wals: uma cervejaria dentro da fábrica é delicioso o local, a comida. (OBS: o torresmo é demais).

Do aeroporto de Confins até BH você passará pela Cidade Administrativa, sede do governo estadual de Minas Gerais, que é uma obra incrível, também de Oscar Niemeyer.

 

BH também é bem conhecido por sua noite. Não tivemos muito tempo (mas conseguimos sair e aproveitar um dos lugares da moda). Descobrimos alguns outros para curtir a cidade:

  • Rooftop Garden – Na Sala: conhecemos e o local é bem interessante, porém chegar cedo para entrar;

  • Woods: Woods é Woods;

  • Chalezinho: balada sertaneja, mas o dia bom é domingo!

E bares não faltam lá, tive a oportunidade de ir ao Tizé Bar e Butiquim e vale sim!

 

#porumavidasemrotina

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

You Might Also Like:

Uma volta por Quito

October 4, 2019

Bate-Volta em Quilotoa

October 3, 2019

1/15
Please reload

© 2023 by Going Places. Proudly created with Wix.com