Buscar

Malta: Europa nada Europa


Algumas curiosidades:

  • São 3 ilhas que formam o país: Malta, Gozo e Comino;

  • Alugar um carro é bem interessante, pois mesmo sendo uma ilha pequena, as coisas têm certa distância. OBS: é mão inglesa;

  • Em Malta fala-se maltês e inglês;

  • Em 3.800 aC já existia uma população pré-histórica na ilha. Malta foi ocupada pelos fenícios, gregos, romanos, controlada pelo Império Bizantino, depois conquistada pelos árabes, depois pela Espanha, invadida por Napoleão, conquistada pela Inglaterra e em 1964, se tornou independente (dá para imaginar, quanta mistura de culturas vemos lá?!)

  • O “nosso” cachorro Maltês não tem nada a ver com Malta, mas descobri que a raça Pharaoh Houd é de lá, uma raça já conhecida pelos fenícios, um cachorro usado para caçar coelhos e ainda é essa raça o cachorro da cabeça do deus egípcio Anubis;

  • A culinária típica é coelho, mas tem muita influência italiana também;

  • A cruz de Malta, não é de Malta, mas sim de Amalfi;

  • A cruz da bandeira de Malta não é a “Cruz de Malta”, mas sim a Cruz de São Jorge.

  • DICA: aqueles sapatinhos que usar na água são super úteis lá, pois tudo é pedra e não foi nada fácil andar de Havaianas

  • É um super ponto para mergulho com cilindro, mas infelizmente dessa vez, não tivemos como encaixar.


Quanto tempo ficar:

5 dias é ótimo para fazer um pouco de tudo, ficamos 4 dias e foi super corrido.

Quando ir:

Fomos em julho e posso dizer que é muito quente e muito cheio!

Onde se hospedar:

Li em TODOS os lugares que o melhor era se hospedar em Saint Julians, lá fiquei, pois achei a área de Sliema bem mais interessante.

Saint Julians é uma área cheia de bares, restaurante e baldas que vale sim ser visitada, acabamos jantando por lá todos os dias!

Noite em Malta:

Taí uma coisa que me decepcionou, sempre li muito sobre a noite em Malta, festas, beachclubs e não é bem assim.

Sim, a noite em Malta é agitada, mas é um país lotado de intercambistas, logo a faixa-etária do pessoal é 18/22 anos, bebendo nas ruas de Saint Julian, tem uma rua cheia de baladas, mas completamente out do que imaginávamos.

O beach club Café del Mar, famosíssimo é muito legal, o único que encontramos nesse estilo mais balada, mas a noite também super lota de intercambistas.

O rooftop Twenty Two atrai muitos turistas, pois tem uma vista legal de Saint Julians, fomos e é bem legal!

Nosso roteiro:

Dia 1:

Chegamos em Malta as 9 da manhã e já pegamos o carro.


MDINA

Também chamada de Cidade Silenciosa, é a antiga capital, uma cidade com muralhas e hoje moram cerca de 250 pessoas lá apenas.

Você entra e parece estar em um filme, ou nas cidades de Game of Thrones.

Lá está a St. Paul’s Cathedral, custava 10 EUR para entrar (e sabe como é fim de viagem?! Não entrei) Pelas ruazinhas encontramos a Carmelite Church, que vale uma paradinha!



THREE CITIES – VITTORIOSA, COSPICUA E SENGLEA

Parece uma única cidade, com as construções de pedra e é um lugar bem mais sossegado e vazio.

Tem diversos museus espalhados pela região, mas no roteiro não permitiu.

Fomos até o Grand Harbor, são incontáveis barcos, iates, veleiros na marina, alguns gigantescos e lá pegamos uma dghajsa (fala-se “daisa”), é uma barquinho tipo as gôndolas de Veneza.

Nas dghajsa existe apenas a travessia de Vittoriosa para Valetta (2 EUR) ou o passeio por toda baía (8 EUR), que vale muito a pena, é lindo demais.


VALLETTA

É a capital de Malta, com pouco mais de 6 mil habitantes é Patrimônio da Humanidade pela Unesco, simplesmente é maravilhoso andar por lá, tudo é lindo!

Bons restaurantes, qualquer espaço é digno de foto e se vc quer comprar souvenir é o point, pois tem mais opções de lojinhas. A rua principal é a Republic Street.

Pegamos um pequeno tour do City Sighseeing, tipo nuns carrinhos de golf por 5 EUR, mas não vale muito a pena!

Quando você quer desce para a parte baixa, tem um elevador por 1 EUR.

Um dos pontos mais famosos é a St. John’s Co-Cathedral, The Palace State Rooms e The Palace Armoury, mas também não entramos.

Aos domingos tem um mercado famoso de rua na região.

CURIOSIDADE:

Grande parte das construções tem tipo essa “sacada” como da foto a baixo, o fato é que quando da dominação árabe as mulheres não podiam sair de casa, então construíram essas “janelas/sacadas” para que mesmo em casa elas pudessem observar lá fora.